29 DE ABRIL, 5 ANOS DO MASSACRE DO CENTRO CÍVICO

Mandato do vereador Anderson Prego, esteve presente na reunião extraordinária do (CAE) Conselho Municipal de Alimentação Escolar de Colombo
13 de abril de 2020
Descaso no transporte público em plena pandemia
30 de abril de 2020
Exibir tudo

Hoje se completam 5 anos desde o massacre promovido pelo Governo do Paraná contra os/as trabalhadores/as em Educação para garantir usurpação da Paraná Previdência.

Na ocasião, observando as reações contrárias às suas medidas de confisco do dinheiro da previdência dos servidores públicos, o então governador Beto Richa e seu secretário de segurança, Fernando Francischini, trataram imediatamente de convocar mais de 1.500 (mil e quinhentos) policiais e organizar um cordão de isolamento nas imediações da Assembleia legislativa do Paraná, a fim de evitar que a população pudesse assistir e manifestar-se durante as sessões de discussão e aprovação do projeto.

Cronologia dos fatos:

Na segunda feira (27 de abril), cerca de 3 mil pessoas foram para a Praça Nossa Senhora de Salete e manifestaram durante o dia todo, o descontentamento. Na madrugada do dia 28, por volta de 1h:30min, a polícia avançou com a tropa, prenderam os dois caminhões de som que estavam estacionados na rua, e impediram a entrada de um novo caminhão. Para garantir êxito, os policiais utilizaram bombas de gás lacrimogênio, spray de pimenta, bomba de efeito moral e muita violência contra os/as trabalhadores/as.

No entanto, a categoria não se amedrontou e na manhã do dia 28 organizou a manifestação na Praça 19 de Dezembro e se dirigiu até a Assembleia Legislativa. Somado a isso veio a notícia da liminar concedida que garantia a participação popular nas galerias da Assembleia, para acompanhar as discussões do projeto pelos deputados. Porém, a ordem do governador era repressão! O cordão de isolamento e o efetivo de policiais haviam aumentado com policiais vindos de todo o estado, inclusive com o batalhão de fronteira. Foram colocadas viaturas atravessadas na via, impedindo que outro caminhão de som se aproximasse da Alep. Contudo, a categoria continuou avançando e abriu caminho para passagem do caminhão de som. Foi então que a tropa de choque mostrou à luz do dia, o verdadeiro motivo de estar lá. Foram cerca de 15 minutos de bombas de gás, spray de pimenta e tiros de balas de borracha para afugentar os/as manifestantes. Após clemência do comando de greve e intervenção de alguns deputados, a amostra do massacre cessou e o caminhão de som pôde se aproximar da praça.

Em 29 de abril, dia marcado para votação final, o sindicato organizou a manifestação com os gritos de ordem: “RETIRA OU REJEITA”, pedindo aos deputados e deputadas da Alep que o projeto fosse retirado de pauta ou rejeitado, para que discussões ampliadas fossem organizadas. A partir deste contexto e da cassação da liminar que garantia o direito à participação popular, o governador Beto Richa e o presidente da Alep, Ademar Traiano mantiveram o projeto em pauta e ordenaram o início do massacre. A barbárie durou cerca de 2 horas, deixando cerca de 200 trabalhadores/as em educação feridos/as e uma marca histórica, violenta e vergonhosa para a democracia paranaense.

Hoje é um dia triste, mas importante de ser lembrado. Nesses momentos é que sabemos quem está conosco e quem não tem compromisso. Por isso fica a nossa mensagem aos servidores públicos e todos aqueles que defendem a educação pública de qualidade. ESTAREMOS SEMPRE JUNTOS, PARA QUE NÃO SE ESQUEÇA E NUNCA MAIS ACONTEÇA!

 

#TAMOJUNTO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *