Encontro de Entidades Pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo

Obras de contenção de enchentes são iniciadas na região do bairro Rio Verde
23 de março de 2015
Curso negritude, branquitude e novos olhares 2015
24 de março de 2015
Exibir tudo

A assessoria do Mandato Popular Participativo Vereador Anderson Prego compareceu, na última quinta-feira (19 de março de 2015), do Encontro de Entidades Pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo.

Organizado pela Rede de Adolescentes e Jovens Pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo – REJUPE, o evento aconteceu no Centro de Referência em Qualidade de Vida e Movimento, no bairro Guaíra em Curitiba e contou com a presença de Mario Volpi – coordenador de projetos do Fundo das Nações Unidas para a Infância – Unicef, do secretário municipal de esporte, lazer e juventude de Curitiba – Aluísio de Oliveira Dutra Júnior, além de representantes do Grupo Futebol de Rua, Caritas brasileira, Hospital Pequeno Príncipe, Instituto Compartilhar Bernardinho Organização Jovens com uma Missão (JOCUM), todas entidades parceiras da REJUPE.

O encontro teve como objetivo discutir e encontrar formas de colaborar para o desenvolvimento de políticas públicas nacionais voltadas ao Direito do Esporte Seguro Inclusivo para adolescentes e jovens em situação de risco e vulnerabilidade social em Curitiba e Região.

De acordo Com Mário Volpi, a Unicef percebeu a vulnerabilidade das crianças no esporte, desde condições precárias de treinamento, tráfico internacional de atletas e privação de direitos. A partir de então, passou a intervir fomentando o esporte como ferramenta de garantia do conjunto de direitos, e não mais apenas como um direito a mais. Mário Citou três funções para o esporte, são elas; esporte educativo – tratado no sistema educacional, com necessidade de muito investimento e seriedade; esporte de participação – aquele que proporciona o sentimento de pertença, participação em algum grupo e que  proporciona o desenvolvimento da cidadania; e o esporte de rendimento – aquele que é voltado para a competição e formação de atletas. “Quando se relaciona índices de evasão escolar, gravidez precoce e envolvimento com violência, veremos que o número é muito menor em praticantes de esporte”, concluiu Mário.

Ao final do encontro, representantes da REJUPE fizeram a leitura da Carta de Princípios da Rede e apresentaram uma lista de demandas que são necessárias para a garantia dos direitos. Dentre elas podemos destacar: a necessidade de investimento em centros esportivos comunitários e escolares e fomento ao uso democrático desses espaços; garantir o uso democrático dos equipamentos esportivos construídos para os megaeventos, priorizando a participação de crianças e adolescentes, inclusive com deficiência; e desconstruir estereótipos de gênero ligados ao esporte, incentivando meninos e meninas a praticarem as diversas modalidades.

 

23/03/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *