MST fala sobre Jornada de Lutas na Assembleia

Plenário aprova Estatuto da Juventude
16 de abril de 2013
Senado aprova Estatuto da Juventude
17 de abril de 2013
Exibir tudo
O coordenador estadual do MST-Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, Roberto Baggio, fez uso na segunda-feira,15, da tribuna da Assembleia Legislativa para falar sobre a Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária, cujas atividades estão sendo realizadas em todo o país. O convite a Baggio foi formulado pela líder da bancada do PT, deputada Luciana Rafagnin, e aprovado pelos deputados.
A Jornada Nacional de Luta começa nesta terça-feira, 16, e se prolonga até sexta-feira, 19. A Jornada é realizada todos os anos para lembrar o massacre de Eldorado dos Carajás. Nesta localidade do sul do Pará, no dia 17 de abril de 1996, 19 trabalhadores sem-terra foram assassinados por policiais militares. Desde 2002, a data é considerada Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária. Posteriormente, tornou-se Dia Internacional de Luta pela Terra.
A deputada Luciana saudou a presença do coordenador do MST e lembrou as palavras da presidente Dilma Roussef sobre a necessidade de uma reforma agrária que dê condições de vida digna para o homem do campo, com assentamentos bem realizados e créditos para a produção, transformação e comercialização dos produtos.
Baggio referiu-se aos 380 projetos de assentamento, localizados em 180 municípios paranaenses e disse que em cada um deles começa-se pela produção de alimentos para a subsistência das famílias, mas a coisa não para por aí: há toda uma preocupação com a industrialização dos produtos primários, com a agregação de valor e a comercialização.
Além disso, os assentamentos integram-se à economia das regiões onde se localizam, participando do processo econômico como um todo. Assim, há uma participação dos assentamentos nas cadeias produtivas das diversas regiões, como a do leite, a da cana-de-açúcar e assim por diante.
No Paraná, há atualmente 5 mil sem-terra acampados e já produzindo, mas ainda sem o assentamento legalizado. No Brasil, são 150  mil nesta situação. Assentar esses trabalhadores acampados significa zerar a demanda da reforma agrária neste momento.
Fonte: PT Paraná
16/04/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *